Deputado Giuseppe Riesgo apresenta soluções para a crise do IPE Saúde

Em reunião com a direção, parlamentar reforçou a necessidade de reestruturar as despesas

Após apontar um diagnóstico sobre a estrutura deficitária da autarquia, o deputado Giuseppe Riesgo (Novo) levou uma série de medidas que podem auxiliar no equilíbrio das contas ao Diretor-Presidente do IPE-Saúde, Bruno Jatene, nesta segunda-feira (09/05). O parlamentar foi relator da Subcomissão responsável por examinar os repasses do IPE-Saúde na Assembleia Legislativa.

Líder do Novo na Assembleia, Giuseppe Riesgo, defendeu a urgência na reestruturação das contas para enfrentar os passivos do Instituto que se aproximam de R$ 1 bilhão. “O IPE Saúde apresenta um quadro deficitário e precisa frear despesas. Mas é preciso ir além e, ainda, ajustar as medidas de captação de receitas para sanar a crise”, argumenta o deputado.

O Diretor-Presidente do IPE-Saúde, Bruno Jatene, destacou a relevância do relatório final da subcomissão e ressaltou que as recomendações presentes se alinham com as práticas da atual gestão para conter o desequilíbrio financeiro do IPE-Saúde. Janete confirmou que, além da revisão na tabela de medicamentos, serão reajustadas as diárias e taxas pagas aos prestadores, com o intuito de adequar esses valores aos preços encontrados no mercado.

Riesgo lembrou que, em 2021, o órgão precisou restringir as novas adesões devido ao déficit no quadro fiscal e a baixa capacidade de auditoria (apenas 5% dos procedimentos são auditados). Estudos apontam que uma elevação para 10% de procedimentos auditados, número ainda considerado baixo, geraria uma economia de R$ 40 milhões/ano para o IPE-Saúde. Janete ressaltou que, como recomendado no relatório final, a direção procurará terceirizar o serviço até o limite legal.

Cenário deficitário

O IPE Saúde confirmou, nas últimas semanas, que possui um passivo total de cerca de R$ 1 bilhão, com um déficit estrutural de R$ 353 milhões no ano de 2020. Atualmente, o órgão conta com quase um milhão de beneficiários, no entanto somente 610 mil contribuem para a receita.

Com o aumento desenfreado de despesas, o IPE Saúde não tem conseguido honrar seus débitos e registra atrasos de até 150 dias nos pagamentos a conveniados. A partir deste cenário, unidades hospitalares ameaçam suspender os serviços do plano de saúde.

Texto: Mélani Ruppenthal. Foto: Adelar Martins.

admin

Website:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *